sábado, 29 de dezembro de 2012

  Olá pessoal! Olha eu aqui depois de um tempããão! \o/ Finalmente o recesso da faculdade me permitiu fazer algo de bom: assistir um filme da minha diva Son Ye Jin, My Wife Got Married. E eu não podia deixar o ano acabar sem uma ótima dica. Mas atenção, esse filme não é bobinho, a temática é bem adulta. Vamos aos comentários?


Sinopse: Deok-hun é um homem que se apaixona por uma antiga companheira de trabalho que volta a ver anos depois. Porém, o que ele desconhece, é que Ju Ina é uma mulher libertina, com uma mente muito aberta para relações amorosas e também apaixonada por futebol. Depois de muito tentar, ela aceita se casar com ele, deixando bem claro sua atitude progressista da vida. Certo dia, depois de estar vivendo fora da cidade por trabalho, ela volta pra casa dizendo que está apaixonada por outro homem, e que quer se casar com ele, mas sem deixar seu atual marido. Deok-hun será capaz de compartilhar sua esposa com outro homem? (Sinopse do asian team)




   Fazia muito tempo que eu queria assistir este filme da minha querida Son Ye Jin, mas ele é bem difícil de encontrar. Considero super legal essa característica que ela tem de cair bem em qualquer personagem. E eu adoro os trabalhos dela, são todos diversificados. Neste trabalho em especial, ela me fez questioná-la, odiá-la e, pela primeira vez, me fez ficar a favor do homem no que diz respeito a uma relação à dois, ops, à três.


  
  Esse filme é nada mais nada menos do que uma super crítica ao comportamento masculino, vivido agora por uma mulher, disfarçado de comédia. E eu achei isso super interessante porque foi bem inusitado ver esses papeis trocados, assistir à perspectiva masculina diante dessa vida libertina de nossa personagem, ver de certa forma a submissão que muitas mulheres enfrentam todos os dias diante dessa situação vivida, agora, por um homem.




  Quando esse comportamento, esperado nos homens, apresenta-se numa mulher, as críticas são pesadas. Então, outra coisa que que achei bastante surpreendente foi um país como a Coréia tratar disso em forma de filme. Sei que Son Ye Jin foi alvo de críticas por causa dessa personagem (li em algum lugar, mas não me recordo) e a admiro ainda mais por isso. Atriz que é atriz tem que encarar todo tipo de trabalho. ou quase todos. Vocês entenderam o que quis dizer. 





  Mas será que o amor pode ser dividido? Bom, para Ju Ina ele não pode, mas amar duas pessoas seria amar em dobro. Bom, aí parte diante da perspectiva de cada um sobre o amor. Será que é possível amar duas pessoas ao mesmo tempo? 
  Bom, caríssimos leitores, essa é minha dica de final de ano :) O download pode ser feito no Asian Team e é necessário cadastro. Até Breve.

                            

Posted by Cecília On 19:39 10 comments READ FULL POST

sábado, 6 de outubro de 2012

 Galera, hoje eu estou aqui pra recomendar mais um super filme do meu idolatrado Kim Ki Duk: Bad Guy. E num filme desses, não há como não soltar alguns spoilers...espero que vocês não se incomodem. Tentarei não dar muitas dicas. :) Vamos aos comentários?


  Sinopse: Basicamente, o filme é um thriller erótico de paixões desencontradas. Quando um casal de namorados cruza o caminho de um homem fechado, mas durão e mau-caráter, um estranho triângulo amoroso começa a se desenvolver.


  Este filme é bem interessante e tem traços de outro filme chamado Time - o amor que ultrapassa a barreira do tempo do mesmo diretor ( e o qual eu já comentei aqui no blog). As histórias são diferentes, mas eu falo de um determinado toque que Ki Duk Kim costuma dar aos seus filmes, como se ele utilizasse várias dimensões que pertencem a um mesmo plano. É, parece esquisito, mas com um tempo você se acostuma e passa admirar esta forma de fazer cinema que só Ki Duk Kim possui.


  Então, a sinopse do filme é bem idiota. Primeiro de tudo, eu considero que não há um triângulo amoroso. O que existe é um "bad guy", que sente-se ultrajado por um determinado insulto e resolve desgraçar a vida de nossa protagonista através de uma vingança, levando ao desenvolvimento de uma das temáticas do filme: a prostituição. A partir daí, o filme nos mostra as circunstâncias que levaram a protagonista a essa submissão e por fim à aceitação de sua atual realidade.



  Apesar de impactante, Ki Duk Kim consegue através da poesia e de suas sutilezas criar um tipo de ambiente inusitado, com um amor inesperado,cruel, que machuca, que nos dói a alma tentar entender. Por fim, há uma redenção que não seria aceita pela maioria das pessoas, sendo incompreensível aos olhos de muitos. Bad Guy é um filme nada convencional.


  Então, aqui vai um grande spoiler galera, prestem atenção! Nossa protagonista está na praia e lá avista uma mulher sentada na areia que logo se levanta e entra no mar afim de suicidar-se. No local em que ela estava sentada, nossa protagonista encontra algumas fotos rasgadas e as leva para o seu recinto e termina por juntar alguns pedaços, mas faltam os rostos das fotos que parecem ser de um casal. Ao término do filme, você percebe que naquelas fotos na verdade eram nossa protagonista e o nosso bad guy. É como se aquela mulher que ela viu entrando em alto mar fosse ela mesma, rendendo-se a condição de prostituta, aceitando sua realidade e seu amor pelo homem que a desgraçou. E ao achar os pedaços que faltam das fotos, ela percebe que é inevitável tentar fugir de sua condição degradante. É um momento totalmente simbólico do filme. Não há uma tradução. Ki Duk Kim consegue nos tocar de uma forma incrível.



  
 Então galera, eu espero que vocês confiram esse filmaço. Eu baixei por torrent no site A Privada Cult. (cliquem em cima do link). Deixem seus comentários e suas interpretações. :) Curtam nossa página no facebook e até a próxima.
Posted by Cecília On 13:29 8 comments READ FULL POST

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

  Olá galerinha, pra comemorar o fim de semestre (do meu pelo menos) e um breve recesso de 8 dias até o início do meu semestre 2, eu resolvi, por fim, assistir ao filme Introduction of Architecture! Um drama super light e bem singelo que eu curti bastante. Vamos aos comentários?



Sinopse: Seung Min (Uhm Tae-Woong), arquiteto com 35 anos, recebe uma visita em seu escritório de uma mulher, a qual ele não reconhece de início, mas depois percebe que a mulher é Seo Yeon (Han Ga-In), o seu primeiro amor, que ele não a vê desde o seu primeiro ano de faculdade. Seo Yeon tem agora um pedido, ela quer contratá-lo para reconstruir sua casa, na ilha Jeju.
  15 anos atrás, Seung Min (Lee Je-Hoon) era um jovem ingênuo começando seus estudos de arquitetura na faculdade, ele encontra pela primeira vez Seo Yeon (Bae Suzy) em sua aula de arquitetura 101, e como tiveram que trabalhar em um projeto de classe juntos, Seung Min e Seo Yeon começam a se apaixonar.
  Voltando para os dias atuais, Seung Min está hesitante em aceitar a proposta de Seo Yeon, mas ela persiste e ainda vai ao chefe dele com seu desejo, deixando-o sem escolha, mas para assumir este projeto, velhas lembranças de amor e desgosto ressurgirão. Como eles lidarão com este encontro que se deu em um momento que suas vidas seguem diferentes rumos?


  Então, o filme é bem simples, possui uma temática simples, mas eu achei bem fofo.  Primeiro porque ele aborda uma das fases de nossa vida que é sem dúvidas muito importante: a descoberta do primeiro amor! E o legal de tudo isso, é mostrar a história dessas duas pessoas e a cascata de acontecimentos que os levaram a não ficarem juntos quando eram apaixonados um pelo outro. Há muitos desencontros nesta vida de fato. E quando jovens, somos realmente ingênuos. 


  O interessante também é o reencontro com aquela pessoa que tanto nos foi querida no passado e de repente está frente à frente com você novamente. Eu mesma gostaria de ter uma oportunidade dessas no futuro...encontrar alguém que gostei muito e de repente compartilhar alguns bons, porém curtos momentos (talvez, quem sabe). A oportunidade de se despedir de fato de seu primeiro amor..nossa, me emociono muito ao comentar esse tipo de coisa! 


  Eu assisti a um filme francês que se chama "Adeus Primeiro Amor" e que apesar de uma história diferente, porém com o uso em parte da mesma temática, lembrou-me em vários momentos Introduction of Architecture. Aquela despedida que nunca aconteceu, os desencontros, as surpresas da vida, os contra-tempos. Nossa, realmente há muita semelhança. Espero que vocês tenham a oportunidade de assistir a este filme também (outra paixão minha é o cinema francês).


  Eu gostei bastante do cenário e do fundo musical, principalmente nos momentos mais suaves e mais emotivos. As interpretações foram bem serenas e sempre de acordo com o ambiente do filme e o sentimento que que nos é passado. Achei a escolha do elenco super conveniente e até que a Ga In teve uma interpretação até boazinha nesse filme. Introduction of Architecture me surpreendeu bastante.


  Outra coisa que observei no filme é que ele trata também não só das relações amorosas, como também as relações entre amigos e familiares. Esta última sendo bastante complicada apesar de secundária no filme. Diverti-me bastante com o amigo de nosso protagonista inclusive (que era o guarda em The King 2 hearts - preciso terminar de assistir este drama!). Engraçado que os conselhos estão tão clichês que nem em filmes eles fazem questão de mudar, mas os mesmos foram abordados de forma divertida. 


  Galerinha, é isso! Ita, obrigada pela dica, ok? Achava que havia esquecido não era? Mas não esqueci! Gostaria de agradecer muito pela dica. O download pode ser feito no Drama Fans Fansub e no AnimesxGames. Não esqueçam de comentar e deixar a opinião de vocês, que é muito importante pra que eu possa melhorar e ajudar o blog a crescer. Beijão e até a próxima. 
Posted by Cecília On 23:11 8 comments READ FULL POST

terça-feira, 25 de setembro de 2012

  Olá galerinha! Como vocês sabem, a frequência dos meus posts não é tão intensa durante o período em que tenho que me dedicar à faculdade. Mas, sempre que possível estarei trazendo novidades pra vocês. E hoje eu trago: Casa Vazia (foi um filme que assisti há algum tempo e nunca realizei um post, que pecado!). Bom, vocês tem o conhecimento de que sou uma grande fã de Ki Duk Kim e eu não poderia deixar de comentar sobre este filme que é um de seus grandes trabalhos.! Vamos lá? Vai ser um post curtinho, eu prometo!

  Primeiramente eu gostaria de dizer que acredito que muitos tenham dificuldades para assistir filmes monótonos como este, mas sinceramente... a essência é recompensante! Um filme desses é pra ser passado de geração em geração! Vamos lá galera...vamos curtir cinema de verdade *-* ! \o



Sinopse: 
Um jovem vagabundo invade a casa de estranhos e mora nelas enquanto os donos estão fora. Para pagar a estadia ele realiza pequenos consertos ou faz limpeza na casa. Ele costuma ficar um ou dois dias em cada lugar, trocando de casa constantemente. Até que um dia encontra uma bela mulher em uma mansão, que assim como ele também está tentando escapar da vida que leva.



  O que dizer dessa obra de arte? Como sempre Ki Duk Kim cria o cenário perfeito com uma trilha sonora adequada e dessa vez ele os utiliza pra falar sobre o vazio humano. Às vezes o seu mundo pode estar completo, mas dentro de você há um vazio imenso. Como sempre, Ki Duk Kim não se utiliza de muitos diálogos, pois ele faz uso de um silêncio que grita. Um filme extremamente poético e que deve ser sentido verdadeiramente. E os filmes dele, em geral, possuem todos esta essência de te fazer perceber as condições humanas em questão através de suas belíssimas metáforas.


  Quando o filme terminou, eu me peguei pensando e refletindo sobre várias situações diferentes do filme. A sensibilidade e a poesia que transbordam te tocam profundamente durante toda a trama. A cada segundo o roteiro te surpreende. Podem aguardar muitos simbolismos e metáforas. Frase de efeito do filme: "It's hard to tell that the world we live in is either a reality or a dream." Nossa, chego a arrepiar-me!



  O nosso "habitante de casas" (recordem da sinopse!) se mostra como o habitante que chega para preencher o vazio de nossa protagonista e isso é muito bonito: ele não habita a 'casa' de nossa protagonista simplesmente por habitar, ele habita e ainda presta-lhe um grande favor, o de completá-la por inteiro. As casas que na verdade ele visitava já estavam completas com seus donos e, ao prestar-lhes alguns favores, ele partia em busca da próxima casa até que encontrou aquela em que ele deveria habitar verdadeiramente. 



  Chega de dicas da interpretação do filme. Vocês precisam senti-lo por si sós. Essa é a arte de Ki Duk Kim. Quem sabe você não tem outra interpretação? Eu recomendo que vocês confiram este filmaço! Bom, eu fiz o downlaod no Filmes com legenda, mas não encontrei a página ativa infelizmente. Procurei em outros sites e achei em torrent no A Privada Cult. Não sei se está funcionando, mas tentem! Se alguém souber de algum outro lugar em que possa ser feito o download comentem aqui! Também encontrei no Laranja Psicodélica! Eu desejo um bom filme pra vocês! Comentem, curtam nossa página e até a próxima!
Posted by Cecília On 20:32 4 comments READ FULL POST

domingo, 9 de setembro de 2012

  Olá leitores, faz um tempinho que eu não posto nada. Bom, finalmente minha Universidade resolveu sair da greve, minhas aulas recomeçarão e ficará mais difícil atualizar o blog. Estou assistindo cerca de 3 doramas que estão sendo lentamente legendados (I Need Romance 2, I do Ido, A Gentleman´s Dignity). Enquanto isso, mais recentemente, eu assisti uma recomendação da minha amiga Fabiana Bisson: Kakurenbo (que significa pique-esconde) e estou trazendo esta novidade pra vocês.


  Sinopse: "Entre as ruinas da cidade, há um jogo que só crianças podem jogar. Ele é conhecido como "o-to-ko-yo" e é uma espécie de jogo de pique-esconde. Mas quando as crianças jogam, um por um desaparece dentre os prédios... A história começa quando um garoto começa a jogar o-to-ko-yo para achar sua irmã desaparecida."

  Esse anime é na verdade um curta (menos de 25 minutos). Mas ele possui uma história que talvez pudesse ser convertida em mais alguns episódios. O interessante desse anime é que ele traz esse lance super legal das lendas japonesas, que sempre são muito intrigantes. Quando eu comecei a assisti-lo eu me senti pouco envolvida com a história, mas acontece que eu só curti verdadeiramente este curta quando ele terminou. Bizarro, não? Que nada! É porque realmente é aquele tipo de história que você só sabe se gostou ou não ao final. Posso dizer isso pelo menos por mim.
  Bom, eles conseguiram transformar uma brincadeira super inocente em uma lenda de demônios,vulgo 'bicho-papão', pras crianças não saírem brincando por aí. Só sei que depois desse anime eu fiquei repetindo por horas: o-to-ko-yo! Hahaha Assistam e vão saber o porquê. 
  Acredito que os links para download estejam todos off, mas eu assisti todo bonitinho e  legendado pelo youtube:



  Eu espero que vocês curtam! Há um diferencial no gráfico...mas isso é um pequeno detalhe. :) Até a próxima! 
   Não esqueçam de curtir nossa página no facebook e deixar o seu comentário!
Posted by Cecília On 19:47 6 comments READ FULL POST

sábado, 11 de agosto de 2012

  Olá galerinha, a greve das Universidades Federais só serviu para que eu viesse a assistir alguns doramas que estavam pendentes, quando esta greve acabar, receio que demorarei muito mais tempo para concluir alguns dramas :(. Hoje, mais uma vez eu venho aqui para apresentar-lhes RoofTop Prince. Mais um super dorama meio épico, meio moderno. Olha, esse é um post que não há como não soltar alguns spoilers, mas vou ser cuidadosa e avisarei antes. Gostaria de agradecer à Thaís Arcanjo que me recomendou  esse drama e enviar a conta do computador que eu queimei ao fazer uma super gambiarra para concluí-lo. Vamos aos comentários?


   Sinopse: Lee Gak é um príncipe da era Chosun que viaja 300 anos no tempo, junto com seus 3 serventes, quando esta investigando sobre a misteriosa morte de sua amada e no futuro descobre uma garota que é exatamente igual a sua amada e agora como irão se adaptar esses 4 homens da era Chosun nos tempos modernos?


  Antes de mais nada eu gostaria de dizer que a Ost desse drama é perfeita. As músicas que escolheram se adequavam em cada circunstância, em cada acontecimento. Outra coisa: Yoochun, seu beijoqueiro! Durante toda a história, ele deu vários beijinhos na Park Ha - personagem principal. Claro, nada muito "Oh, meu Deus que beijo!", mas foram todos fofos. Terceira coisa: a principal temática dessa história é Reencarnação. Uma temática super complicada e que exige imaginação, interpretação, enfim, estejam preparados para um enredo ao estilo Valcir Carrasco.


  É muito importante também, deixar algumas coisas bem claras a respeito do drama: O Príncipe herdeiro viaja no tempo sem ao menos esperar. Quando ele chega nos dias atuais, ele acredita que tenha vindo para solucionar o caso da morte da princesa herdeira. Acontece que no tempo em que ele se encontra estão as reencarnações de algumas pessoas do seu tempo passado. Com o desenrolar da trama, ele percebe que na verdade ele veio para realizar não somente essa missão como também outra e com isso encontrar o verdadeiro amor de sua vida, pois eles estavam realmente predestinados um ao outro. Para entender melhor, caros leitores, é necessário que vocês assistam ao drama! Vale muito a pena se aventurar nessa história. Para as pessoas que não gostam de spoiler, isso é tudo que eu posso adiantar e deixar já explicado. Mas, logo mais abaixo eu comento minha super opinião pessoal num mega spoiler pra quem curte e já concluiu o drama.


  Agora eu me deterei em falar um pouco dos personagens. Eu não tenho palavras para descrever o quanto eu gostei dos "Rangers". Isso mesmo! O príncipe Lee Gak invita três homens para ajudá-lo nas investigações a respeito da morte da princesa herdeira e quando viajam no tempo são de extrema importância, arrancando-me boas risadas também. 



  Quanto aos vilões da história... Nunca desejei tanto que uma vaca fosse para o brejo! Hang Se Na: a personificação da inveja.! Hang Se Na é nada mais nada menos que a reencarnação da princesa herdeira, mas o que o nosso príncipe não sabe é que ela é o mal em pessoa. E isso me deixou super indignada no começo da trama: ele achava que era ela boa e gentil. Fazia um tempinho que eu não tinha tanto nojo de uma determinada personagem. Quanto ao "barriga branca" do primo invejoso nos tempos modernos, ele fez tudo por sua própria maldade e desejo pela Se Na. Em muitas histórias, muitas mulheres eram a perdição dos homens e isso se confirmou mais uma vez. Passam-se os anos, e ainda existem tolos como o pobre rapaz invejoso. Hang Se Na foi sua queda!


  Claro, chegou a hora de falar do casal principal: Park Ha e Lee Gak. A Park Ha é a típica personagem que sofre até o fim. Mas, de todo modo ela não era boba. Ela tinha momentos engraçados, momentos sofridos, momentos felizes, momentos em que ela demonstrava e impunha sua personalidade. Lee Gak era o reizinho mandão que viaja no tempo e deixa que o amor o conduza a um dos mais belos romances que já vi. O grande lance da história é o seguinte: Poderia se passar mil anos, mas mesmo assim, os dois estariam predestinados a se encontrar: Um amor que ultrapassa a barreira do tempo. E, um determinado acontecimento, impede que os dois fiquem juntos no tempo presente. Solucionar esse caso é uma das missões do nosso príncipe. Yoochun, você tá de parabéns.! Amei sua interpretação. No mais, todos os atores estão de parabéns.!



  Gente, agora eu vou comentar um pouco da minha opinião pessoal a respeito do desenrolar da trama. [SPOILER] Bom, o casal principal não pôde ficar junto no passado devido à morte da "nossa flor de lótus", por sinal, uma das mais belas explicações para o fato da reencarnação. "Mesmo morta, ela estaria viva". por isso, o príncipe viaja no tempo: para reencontrar o amor de sua vida (que morreu para nascer de novo, segundo a explicação da "flor de lótus") e fazer com o que o "eu" dele no presente pudesse ficar ao lado de Park Ha, já que alguns acontecimentos se sucedem e eles são incapazes de se encontrar no local de encontro na era presente. Acontece que há alguns momentos realmente emocionantes, pois na maior parte do tempo é Lee Gak quem age o tempo todo, é por ele que a Park ha se apaixona. O que me afligia era o fato de Lee Gak ter que retornar ao passado. Os dois terminariam sozinhos? Então, foi aí que entendi e amadureci meus pensamentos: o "eu" presente de Lee Gak e ele são a mesma pessoa, pois é esse o grande lance da reencarnação! Acontece que foi muito duro aceitar que ele ficaria sozinho ao retornar para o passado, já que nossa "flor de lótus" é quem realmente havia morrido. Mas a certeza de que quando ele morresse mesmo assim a encontraria em outra encarnação era sustentada pelo amor que ele sentia. Então, acabou que os dois do tempo presente finalmente se encontraram e o fato das roupas dele terem mudado foi totalmente simbólico...pra demonstrar que sim, eles eram a mesma pessoa, pois um era a reencarnação do outro. Mas é que ao lembrar do Lee Gak...meu coração fica muito,mas muito apertado mesmo. Foi uma história incrível! [FIM DE SPOILER]



  Galerinha, estou realmente super emocionada ao escrever esse post. Quando relembro todos os acontecimentos, todos os momentos mágicos, o casamento.. (ops, spoiler) eu fico muito, mas muito emocionada. Foi um drama ótimo do começo ao fim, salvo o primeiro episódio, pois ele foi uma grande introdução dos fatos e, por isso, um tanto quanto chato. Eu acompanhei os primeiros 16 episódios no Ohayo Dramas Fansub, e pelo menos até agora foi até onde eles lançaram, mas o desejo de terminar foi tão grande e intenso que eu terminei de assistir online no Viki. Então, está aí uma super dica para vocês. espero que vocês confiram o dorama e comentem aqui no post. Até a próxima doramaníacos.


Posted by Cecília On 23:28 13 comments READ FULL POST

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

  Olá galerinha, finalmente estou aqui para trazer os meus comentários a respeito de uma história que dessa vez, depois de tanto tempo, merece aplausos de pé: The Moon That Embraces The Sun. Além de ser um dorama épico, podem ter certeza que ele também vai marcar época. Este ano, 2012, está sendo marcado por uma chuva de meteoros de doramas épicos. Mas esse dorama em especial conseguiu uma posição no meu top 5!  Obrigada à Fernanda, leitora do blog, que me recomendou esta incrível história. Acompanhem meu raciocínio queridos leitores! (Esse com certeza será um dos maiores posts desse blog!)


  Lee Hwon é o Príncipe Coroado, mas acha esse título um fardo muito pesado. Ele gostaria que seu irmão mais velho, e talentoso, Yang Myung ocupasse seu lugar, mas como Yang Myung é um filho ilegítimo, ele não tem direito de herdar o trono. Quando Lee Hwon tenta escapar do palácio para ver seu irmão, ele encontra Heo Yeon Woo, uma menina muito inteligente e filha de um grande nobre. Foi amor a primeira vista, mas mal sabia o príncipe que Yang Myung já era apaixonado pela Yeon Woo. Para conseguir mais status, o Ministro Yu, pai de Bo Kyung, junto com a Rainha-mãe, planejam a morte de Yeon Woo, que havia sido escolhida para se casar com Lee Hwon. A Rainha-mãe ordena uma das xamãs do palácio a conjurar um feitiço para assassinar Yeon Woo sem deixar vestígios, mas a xamã “finge” matar Yeon Woo e acaba levando a mesma para morar fora do palácio. Yeon Woo perde a memória após sofrer o choque de ser enterrada viva. Sem se lembrar de seu nome e de seu passado, acaba se tornando uma xamã. Por causa da “morte” de Yeon Woo, Lee Hwon acaba se casando com Bo Kyung. Um belo dia, já adulta, Yeon Woo reencontra Lee Hwon, que sofreu muito com sua suposta morte. Ele não a reconhece, mas fica estarrecido com sua semelhança a sua falecida amada. Como ela não tinha um nome, o mesmo lhe dá o nome de Wol (lua). Wol é obrigada a voltar para o palácio, irreconhecível como xamã, mas isso causa um grande problema, pois tanto Lee Hwon quanto Yang Myung se apaixonam por ela novamente.





  A partir da "pequena" introdução acima é necessário comentar e deixar algumas coisas bem claras. Como vocês podem perceber, essa história possui duas fases: a primeira onde os personagens ainda são crianças e uma segunda com eles já adultos. A primeira fase, em particular, é a que todos vão derramar quase 1 litro de lágrimas. É triste? É. Mas é uma tristeza "emocionante",nada de tragédias (dependendo do que vocês considerem tragédia), apenas acontecimentos comoventes. Esta primeira fase foi marcada por atuações FABULOSAS. Caramba, as crianças não deixaram NADA  a desejar. Nota dez para o elenco infanto-juvenil. Essa primeira fase introduz também o aspecto político da história: toda a questão da monarquia e de que forma as pessoas que estão relacionadas com o rei tentam ascender afim de adquirir poder político e dinheiro que é sempre bom. Isso implica também nos métodos utilizados, os meios. Estes últimos, pouco importam para os grandes vilões da história: A Rainha avó e o seu sobrinho e ministro. Mas isso é outra história.... depois eu conto a vocês.! Aprendi com este drama que o poder do rei não serve de nada! Sempre que ele tentava proteger algo ele também pedia algo. Triste fim esse de ser rei.






  A segunda fase da história é marcada pela evolução dos personagens e as tais famosas "consequências". Claro, a mocinha sofrerá até o fim, mas é um sofrimento que nós, telespectadores somos capazes de suportar, apesar da nossa personagem principal quase não conseguir suportá-lo (muitas torturas, meus caros). Às vezes o sofrimento se torna tão maçante que acabamos por desistir do drama (Eu sempre desisto!) por isso que eu disse que somos capazes de suportar. Nessa fase, eu tive algumas surpresas e uma delas está relacionada ao ator Hyun Soo (o rei). O cara botou pra quebrar.! Fez o rei, Hwon , do jeitinho que era pra ser. Apesar da pouca idade, 24 anos - na vida real-, posso dizer pra vocês que ele tem um futuro brilhante pela frente. E que venha o próximo dorama com ele (um dorama mais adulto e com um beijo decente para que ele possa concretizar esse meu desejo). Continuando, perdoem-me os fãs da Ga In, mas ela não fez jus a atriz mirim que interpretou o mesmo papel. Com uma interpretação vaga e atuações fraquíssimas, eu diria que ela foi a minha maior e única decepção em relação ao elenco do drama.



  Jung Il Woo não me decepcionou em nada. Já esperava uma atuação formidável. Cumpriu o seu papel. E que personagem sofrido. Enquanto ele sentia-se só, injustiçado,  durante o dorama inteiro, eu o chamei algumas vezes para ficar ao meu lado, mas ele simplesmente não saía da tela do computador. Bom, ele não sabe o que está perdendo. Brincadeiras à parte, esse personagem foi um marco na carreira dele com certeza. Ele tem feito personagens diferentes, que exigem dedicação dele, dessa forma somos capazes de jugá-lo como um ator que tem um futuro promissor pela frente.  Aproveitando este momento, eu gostaria de fazer uma crítica construtiva para algumas pessoas: NÃO DIGAM QUE DETERMINADA ATRIZ OU ATOR SÃO OS MELHORES QUE VOCÊS JÁ VIRAM SEM VÊ-LOS ATUAR EM PAPÉIS DIFERENTES, DIFÍCEIS, QUE EXIJAM TALENTO. Acontece que eu tenho ódio (ódio é uma palavra muito forte) de quem fala que fulano ou sicrano é o melhor ator ou atriz do mundo sem tê-lo visto atuar de outra forma. Algumas pessoas julgam atores por simplesmente gostarem ou venerarem, mas não é assim galera, não podemos colocar num pedestal quem apresenta atuações medíocres e tem muito, mas muito ainda para aprender. Enfim, voltando ao foco: Isso definitivamente não acontece com o Jung Il Woo! Esse cara é fera.








  Esse drama, sem sombras de dúvidas, é o drama dos personagens secundários.! Tem espaço pra todo mundo nessa história. O servo do rei era uma graça, feinho, mas de expressões cativantes e aconchegantes. Eu tenho certeza que não importa o que acontecesse, mesmo no verão, ele daria um jeito de ajudar o rei a dar suas fugidinhas, construindo bonecos de neve. Cada vez que ele aparecia meus olhinhos ficavam assim: *-*
A rainha era ruim, aproveitadora, invejosa, queria o coração do rei, queria o seu corpo nu... Tudo isso a levou a loucura. Enfim, todo castigo para ela era pouco. Correção: para ela e a família dela. Não achei que ela foi uma vítima na história, já que ela foi condizente com toda "ruindade" da família dela. O senhor ministro,pai dela, era a personificação do mal, juntamente com a rainha mãe e toda a corja de ministros. Esses bandidos que fazem tudo na espreita, por debaixo dos panos, e passando por cima dos mais fracos e oprimidos são os piores. E eles foram. Mas os atores que os interpretam foram os melhores. Interpretar bandidos exige uma grande responsabilidade. E eles conseguiram o meu ódio, por isso, estão aprovados.






  Falando agora de virtudes, será que havia alguém mais honesto e honrado do que o pai de nossa Heo Wol, nosso chefe Erudito? Na verdade, ela possuía toda uma família nobre, nobre em todos os sentidos da palavra, fazendo jus a palavra nobreza em si. O seu irmão e sua mãe também merecem destaque, principalmente sua mãe, que atriz! Minha gente, só com as aparições dela eu devo ter chorado umas quatro vezes e me arrepiado outras vinte. Todo o sofrimento dessa família foi tenso. Seol também merece destaque, pois foi uma baita criada até o fim. Da mesma forma que Un foi digno e fiel.




  A xamã Jang, na minha opinião, foi uma das grandes personagens dessa história além de ser uma grande atriz (eu tinha medo dos olhos dela). A personagem a favoreceu muito. Não consegui ter raiva dela em nenhum momento, afinal ela não era uma pessoa ruim. Diante de toda a situação envolvendo o Palácio Celestial e a promessa feita à amiga, eu teria feito o mesmo. Era incrível como a xamã conseguia "tapear" a rainha mãe com suas palavras místicas e seu papo sobre espiritualidade. Xamã Jang foi umas das feras desse drama.





  E a nossa Princesa? Gente, nossa princesa era uma graça.! A atriz da primeira fase era tão fofinha e chorona. Como eu disse antes, todos os atores mirins da primeira fase foram show! Na segunda fase em especial, a atriz - e a princesa em si- arrasaram nos últimos quatro episódios. Claro que ela mereceu sua punição. Mas, ela ainda tem o seu final semi-feliz.!





  Opinião Pessoal (Contém Spoiler): Odiei o final do Yang Myung! Chorei o último episódio inteiro porque ele morreu. Quer dizer, eu já sabia (sentia) que ele ia morrer, afinal tem todo um lance de que só pode existir um sol e uma lua, mas eu não quis acreditar TT Mas tudo bem, superado o momento outra coisa que eu não admito é "morte" pra bandido. A morte é o caminho mais fácil... para mim, você tem que pagar em vida por todos os pecados que cometeu, por exemplo, assim como a princesa estava pagando. Passadas as minhas indignações, só tenho a dizer que adorei o drama e o final foi "decente". Há finais chatos, abertos...e este foi conclusivo. Curti demais. Ah, senti falta da presença da mãe da Wol no final do episódio.


  Opinião da momis (Inovando aqui no blog): "Eu gostei, e a questão de todos terem sidos mortos eu achei certo, porque é assim na política de antigamente. Se isso não acontecesse eles tomariam o poder e haveria o risco de outra rebelião. Gostei mais da atuação das meninas da primeira fase, principalmente a princesa herdeira que superou a atuação da atriz da segunda fase. O rei da segunda fase foi muito bem dando segmento a interpretação do rei da primeira fase, pois este também era muito bom. No mais, é uma história muito bonita, sofrida, que arranca lágrimas em quase todos os capítulos. O drama retrata bem como funciona a política em qualquer que seja a época: sempre há corrupção." Detalhe: minha mãe não chorou em nenhum capítulo, huahauahauahuahaua'


  Galerinha, é isso...espero que leiam todo o post apesar de estar bem longo. O download pode ser feito no Doramas Épicos
Posted by Cecília On 21:45 12 comments READ FULL POST
  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube