sábado, 8 de março de 2014

   Não é novidade nenhuma que há algum tempo atrás a série I Need Romance conquistou o coração de muita gente. É claro que ainda vem conquistando. Principalmente pela forma nada convencional de se apresentar. A verdade é que não estamos acostumados a presenciar nos nossos tão amados doramas uma pegada mais caliente. Não que isso nos faça falta diante da grandeza das histórias que assistimos todos os dias. Mas... quem não gosta de uma boa pegada que atire a primeira pedra! INR3 segue a mesma linha das outras histórias no que diz respeito a apresentação dos "dramas" da vida de mulheres maduras: seus medos, seus receios, suas particularidades e virtudes, compartilhamento de vivências. Diferentemente dos outros dois doramas anteriores da mesma série, esse é bem light no que diz respeito às cenas "mais intensas". Mas é claro que as que se apresentaram no decorrer do drama foram no mínimo muito decentes. Afinal, é "outro nível".Cheguei a comentar que este dorama não deveria ter sido chamado de I Need Romance... pela quase ausência da característica mais marcante, porém, quando você para pensar no tipo de abordagem, contextualização e temática nós somos capazes de perceber as semelhanças com os outros da mesma série.
   O Drama conta a história de uma mulher de 33 anos de idade, que não confia no amor, um homem de 20 e poucos anos de idade  que sonha com o amor puro e um homem de 30 e poucos anos de idade, que é o chefe da mulher no trabalho.Shin Joo-Yeon ( Kim So-Yeon ) trabalha em uma rede de compras para casa. Ela costumava ter uma personalidade calorosa e amável, mas depois de 9 anos de experiência de trabalho duro, ela tornou-se fria. Depois de um relacionamento romântico que deu errado, ela diz às pessoas que ela não acredita no amor. Lá no fundo, porém, ela não pode desistir do amor.
Shin Joo-Yeon: Esta é a nossa protagonista. Ela sofreu muito com os seus relacionamentos conturbados e com a falta de amor que obtivera dos mesmos. Dessa forma, ela passou a desacreditar na magia e até mesmo na própria existência dele. Por este motivo, ela é incapaz de reconhecer seus verdadeiros sentimentos, mascarando-os. Ela se tornou uma máquina de relacionamentos mecanizados,  sem a certeza da existência do amor. Por este motivo, ela também procurava se manter afastada de quaisquer outros tipos de relacionamentos afetivos. Suas relações pessoais se resumiam ao ambiente de trabalho. Mas o que ela não sabia, é o quanto ela precisava de um bom e verdadeiro romance... como sempre, não enxergamos o que nos está sendo ofertado (e diga-se de passagem muito bem ofertado) bem debaixo de nossos lindos narizes. 
Joo-Wan: Este é o nosso querido batata doce. Um verdadeiro exemplo da verdade mais absoluta desse mundo que tem lá em Coríntios 13: "O amor é paciente, é bondoso; o amor não é invejoso, não é arrogante, não se ensoberbece, não é ambicioso, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda ressentimento pelo mal sofrido, não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta." Eu tinha que citar isso, porque como ele próprio se descreveria: ele possuía um coração muito bom. E eu quero acreditar nesse tipo de amor, porque eu também preciso de romance. Então, vocês tem um milhão de motivos para amar este personagem.

Ele é seis anos mais novo que a nossa protagonista, mas ele tem um nível de maturidade que é mais interessante e mais enriquecedor, para nós, expectadores, do que a própria protagonista, marcada pelas chagas de seus relacionamentos fracassados. Nós sabemos que I Need Romance é caracterizado por frases bem melosas e bem interessantes linguisticamente falando. São fatos que a gente sabe e conhece, que às vezes presenciamos, mas que continuamos gostando de ouvir quando bem elaboradas sonoramente falando. Acaba como uma boa música para os ouvidos e para a visão, porque no nosso caso estamos lendo as legendas.
Shin Joo-Yeon e Joo-Wan: Conheciam-se desde a infância. Ele nutria um amor por ela desde sempre, lhe dando atenção, carinho, escutando-a. E ela não percebia o quanto ela gostava daquela situação, mesmo reclamando todos os dias. A primeira coisa que ela fazia quando chegava do trabalho era verificar se ele já havia chegado em casa, quando não, ela dormia no quarto dele. Outra coisa que ela adorava era compartilhar os acontecimentos do seu dia com ele. Ela não percebia o quanto ele a fazia se sentir à vontade, o quanto ele a tocava com seu jeito de ser.Achei super interessante o desenvolvimento desse casal. Melhor direi: dessas pessoas como um casal. Foi um processo longo, mas que foi adoravelmente gostoso de acompanhar. Nó temos sérios problemas em impor dificuldades com o amor que está prontinho e só esperando por nós ali do lado... Somado a isso, nós temos dificuldades em romper com as amarras do passado. Em seguir em frente. Meu conselho é: Let it Go...
Kang Tae-Yoon: Ok. Comecei a chegar onde eu queria. Podem acreditar: todas as vezes que este homem, que este projeto de ser humano bem elaborado aparecia na tela, eu me derretia. Torcia veemente para a protagonista não terminar com ele, porque ele simplesmente já era meu. Sim, eu determinei isso. Eu considero que este personagem tem traços bem misteriosos e ainda ocultos para mim no que se refere à sua personalidade. Não deu para sentir muito bem o drama dele (pois o enfoque é mais nas personagens femininas). Mas deu para visualizar um pouco dos seus temores, o que o incomodava por vezes. Ele era um cara bem íntegro e responsável. 
Kang Tae-Yoon e Shin Joo-Yeon: Para mim, eles combinavam mais pela idade cronológica. Porém, O que eu percebia em relação a este casal era muito mais uma relação de admiração sendo confundida com qualquer outro tipo de relacionamento mais afetivo. Eles quiseram tentar, por ambos estarem machucados, preencher seus vazios. Foi bom enquanto durou. Melhor para mim, que fico com o Sunbae. 

 Oh Se-Ryeong: Para mim, a personagem mais interessante deste drama. I Need Romance não tem uma característica de ter vilãs. O grande vilão são suas próprias escolhas. E esta mulher, aparentemente desmancha prazeres, se mostrou fantástica. Elegante e destemida, ela fazia o que era preciso para conseguir o que queria. Ela lutava por aquilo que desejava, criando os vínculos necessários para se fortalecer no trabalho, expandir sua empresa. E o nosso querido sunbae era incapaz de aceitar seu jeito “dado” de ser (ciúmes). E nós sabemos que existem pessoas que realmente são mais “dadas”, que são dão bem com as pessoas e são extremamente comunicativas e divertidas, que tem um ciclo social imenso e diversos contatos. E ele não entendia/admitia esse comportamento que era intrínseco dela. Ela tinha uma vivência e uma experiência incríveis. Mas, é mulher do mesmo jeito e não há maneiras...sofre dos mesmos males.
Oh Se-Ryeong e Kang Tae-Yoon : Eu torci muito para que este casal desse certo. Eles combinavam pra caramba e eram exemplos bem distintos de profissionais, mas ambos sendo muito bons. O que era necessário entre eles era apenas uma conversa mais digna e alguns ajustes. Ambos sairiam ganhando. Achei que faltou mais entrega por parte do sunbae. Gostei do final deles. Tipicamente coreano, mas gostei da idéia.


Jung Hee Jae e Lee Woo-Young: Agora atenção para o meu casal favorito. Para mim, a grande surpresa. Primeiro, eu não sabia que esse carinha era irmão do Yoochun. Percebi a GRANDE semelhança e comentei com uma amiga no facebook que me confirmou a suspeita. Fora isso, no começo da história, eu jurava que ele era amigo gay do grupinho. Mas que engano BOM! Foi a melhor surpresa desse drama todo. Ele se mostrou um cara altamente interessante, atencioso e pé no chão. Ela era uma fofa sem fim, que também estava na busca pelo seu eu. Uma coisa que aprendi estudando pela faculdade é que a busca da identidade não é algo intrínseco do período da adolescência, mas é algo constante. Dura o resto de nossas vidas. E eu achei super interessante essa busca se manifestar nesta personagem. É isso que adoro em INR... este fato de termos personagens tão diferentes que fazem com que nós nos identifiquemos com os traços deles. 

Lee Min-Jung e An Min-Seok: Por fim e não menos importante nós temos este excêntrico casal, representando aquelas pessoas que se sentem no: "e agora?!" diante de determinadas situações imprevistas e não programadas. Eles se viram diante de uma nova circunstância e diante do desafio de superar antigos traumas, "traços genéticos". Finalmente eles sentiriam o peso de uma grande responsabilidade, e as estigmatizações impostas pela sociedade com a necessidade de seguir em frente.
Bom, é isso! Eu curti muito, muito, mas muito mesmo o drama. Gente, é muito gostoso de acompanhar. Você se vê envolvido no drama de cada personagem, torcendo para que tudo dê certo e que o caminho que o personagem deseja trilhar seja o melhor. Impossível não querer assistir seguidamente cada episódio. Se você gostou do post, não esqueça de comentar e curtir a nossa página no facebook clicando AQUI. Sei que andei um pouco sumida, mas gente, vocês não sabem quanto tempo leva pra fazer um post desses (bem feito, claro)...cá estou eu, terminando-o as quase 01 da manhã. Vou ver se lá para o final da semana trago o post de Prime Minister is Dating. Já concluí, mas não tive tempo de escrever. Aguardo o comentário de vocês, ok?! Até a próxima. Ah, o download pode ser feito no Siwon Fansubs.





Posted by Cecília On 01:00 13 comments READ FULL POST
  • RSS
  • Delicious
  • Digg
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Youtube